quarta-feira, 11 de outubro de 2017

A menina que queria prendas


A minha querida mãe (sim, ela é mesmo querida) sempre se portou mal no factor presentes. Cresci sem esperar que a minha mãe me surpreendesse e, quando a questionava, as respostas variavam entre:
- "Prendas dou-te eu todos dias!";
- "Eu compro-te o que acho que eu te devo comprar, quando acho que te devo comprar".
Pimbas, embrulha e diz que é a tua prenda.
Lembro-me de ter recebido um rádio com microfone quando tinha uns 4 anos, no Natal, e... Se me ofereceu mais alguma coisa no Natal ou no meu aniversário, muito honestamente não me lembro. Claro que me comprou n coisas mas, lá está, importância às datas "especiais" não era dada.
Até que fui para a faculdade e um dia, estávamos no início de Dezembro, lhe disse que tinha contado às minhas novas colegas que ela não me dava presentes. Sentiu que tinha de provar um ponto e comprou-me uma mala cara que eu gostei. Surpresa? Zero. Esperar pelo Natal? Não. Mas ao menos a intenção estava lá.
Desde então, temos tido altos e baixos. Compra-me coisas que eu quero/preciso na altura dos meus anos e é a prenda (o que já me deixa muito feliz). Passámos das duas frases acima para:
- "Escolhe que a mãe compra";
- "Eu não sei o que é que te hei-de dar!!";
- "Mesmo que eu compre alguma coisa, tu dizes que os meus gostos estão estragados...".
A minha maturidade também mudou, não é? Tendo em conta que ela me obriga a pedir, não consigo que seja algo de que não preciso. Eu considero que as datas especiais são boas oportunidades para se dar algo mais fútil e não absolutamente necessário... Mas não consigo pedir.
Por exemplo, estávamos a ver a montra de uma ourivesaria e vi um relógio muito giro. Ela disse que mo comprava de prenda de anos e a minha reacção foi "oh, mãe, sabes que não preciso disso". Se ela simplesmente mo tivesse comprado, sem eu saber, eu ficaria super feliz com a "futilidade".
Ontem, no carro, a minha mãe voltou à carga. "Eu quero comprar-te uma prenda de anos, diz-me o que é que queres de prenda de anos". Isto em loop... Acabei por pedir/sugerir o bilhete para o Vodafone Mexefest, que eu já tinha decidido comprar. Não é estupidamente caro e, mesmo já sendo uma decisão minha, é algo que não é necessário e ela fica feliz por ser algo que eu quero.
É engraçado a forma como passámos de "prendas? és engraçada" para "por favor, deixa-me dar-te uma prenda". Ela continua a não ligar assim tanto ao assunto, mas percebeu que era algo que me fazia feliz.

2 comentários:

м♥ disse...

Eu ADORO prendas. Em setembro a minha madrinha deu-me uma coisa que eu precisava e disse que ficava prenda de anos. Mas começou a aproximar-se o dia e eu, como tenho uma lata descomunal, disse logo que no dia queria prendas para abrir, nem que fosse um pacotinho de lenços :p ahaha No dia, lá tinha mais uma prenda útil. Depois até me fico a sentir mal porque eu digo as coisas a brincar e as pessoas compram mesmo. Como adoro prendas, não me importo nada.

Antes, quando era mais nova, ficava "chateada" se me ofereciam coisas úteis no Natal e nos anos porque, como tu, também acho que são alturas de receber aquelas prendas fúteis. Agora fico toda contente quando me dão coisas úteis que eu teria que comprar. Assim poupo o dinheiro! :) Mas gosto muito mais de ser surpreendida.

O meu namorado ofereceu-me um livro porque já sabia que era isso que eu queria. Ele pergunta sempre o que eu quero por isso nunca é surpresa. Também lhe tinha dito que queria uma mala (que, se não receber, vou ter que comprar) e fiquei mesmo à espera que fosse essa a prenda. Como não a recebi, já lhe disse que estava mesmo à espera da mala e ele disse que a vai comprar :p ahaha Não tenho mesmo vergonha de nada, valha-me Deus.

i. disse...

Ri-me tanto com este comentário, M xD É que eu também não tenho vergonha e mando a minha bojarda, mas ninguém me liga!! Eheh