quarta-feira, 8 de março de 2017

Diferenças de género, sim; diferenças de oportunidade, não


Estava agora a ler um livro sobre autismo, quando me apercebo que, no teste do Quociente do Espectro Autista, homens e mulheres diferem, em média, nas suas pontuações (refiro-me a indivíduos saudáveis, embora esta diferença também se verifique em autistas). Sendo este um teste às habilidades sociais e de comunicação (entre outras), isto mostra que homens e mulheres são diferentes no que a isso diz respeito.
Decidi falar sobre este tópico por assinalarmos hoje o Dia Internacional da Mulher. Lamento informar, mas eu sou das que defende as diferenças de género. No entanto, isto não deve ser confundido com "diferenças de oportunidade", porque são coisas totalmente distintas. É um facto: um homem nunca vai saber o que é uma dor do período e uma mulher nunca vai saber a verdadeira sensação de fazer xixi de pé. E quando há mulheres que me dizem que tiveram uma altura em que o tentaram fazer (em crianças), eu respondo que a pessoa em questão é tola.
Defendo que, tendencialmente, os dois diferentes géneros não têm propensão para o mesmo. Não sei de genética e biologia o suficiente para apoiar a minha opinião com estudos, mas acredito nisto. As nossas capacidades de comunicação, de relacionamento, de destreza, de organização, etc. etc. vão condicionar as nossas escolhas, as nossas carreiras. Temos interesses diferentes, é um facto, e não é só porque a sociedade nos impôs. NO ENTANTO, isto não significa que uma mulher não possa ser uma excelente canalizadora (assim de repente, nunca vi nenhuma) e um homem um excelente amo (ou ama? não sei se, no masculino, a palavra significa o mesmo). Tal como não significa que uma mulher não possa detestar compras e um homem adorar.
Aliás, eu defendo que uma mulher (ou um homem) pode ter aptidão para uma coisa que é mais considerada "própria" do outro sexo, tal como defendo que - mesmo sem essa aptidão - pode vir a ser excelente com esforço e dedicação. Dou um exemplo bastante simples, ninguém está apto a correr uma maratona; no entanto, quantas pessoas o fazem?
Há pessoas - maioritariamente homens - que não percebem a necessidade de termos um dia como o de hoje. Que assinala as conquistas, mas também as batalhas que ainda faltam travar (nuns países mais do que noutros)... Não sabem o que é correr o risco de não ser contratada por querer ter filhos (e, pasmem-se, ter de cuidar deles se estiverem doentes); não sabem o que é sofrer pressão social para ser uma boa dona de casa; não sabem o que é esconder o corpo com medo de certos olhares; não sabem o que é serem levados menos a sério numa posição de trabalho única e exclusivamente por serem do sexo feminino. Não sabem o que é ter de se esforçar inúmeras vezes mais para ter o mesmo reconhecimento que um homem. Chegamos ao ridículo de não poder ter os mesmos vícios, como fumar, beber em excesso e jogar - para homens, é mau, mas aceite; para mulheres, são aves raras se o fazem. Por tudo isto e muito mais, desculpem-me se estou a ser injusta, mas é muito mais difícil nascer mulher.
Por isso, minhas lindas, hoje é um dia para comemorar da forma que muito bem entenderem (mesmo que seja à minha forma, reconhecendo que é um dia importante para nós, Mulheres, mas não fazendo nada de especial). Se quiserem juntar-se num grupo de histéricas semi-despidas que vão a uma lady's night, não tenho nada contra. Cada um é livre (mais uma luta conquistada!) e sabe de si. Ainda assim, os homens que defendem isto também o podem celebrar, claro! Acabei de me lembrar que, numa discussão acesa sobre esta temática, disse a um amigo meu que poderíamos celebrá-lo juntos e ele concordou... Isto também me faz sentido.
Acima de tudo, sejam vocês mesmas e não deixem que vos digam como se devem comportar "só" por serem mulheres. #estamosjuntas

3 comentários:

м♥ disse...

Sem dúvida que existem diferenças entre homens e mulheres, sejam elas físicas, de personalidade, de aptidões... Somos todos diferentes e ainda bem! Aqui a questão nunca foi verificar que homens e mulheres são iguais, mas sim reconhecermos que ambos os sexos devem ter as mesmas oportunidades.

Felizmente, hoje em dia temos cada vez mais mulheres a estudar, a terem profissões ditas de homem, a vingarem num mundo assumidamente masculino. Não significa que todas as mulheres tenham que aspirar a ter profissões de topo que antes só eram atribuidas aos homens, mas sim que o possam fazer se assim o desejarem e nunca serem impedidas de fazer o que quer que seja porque são mulheres. O mesmo se aplica aos homens: se quiserem ser babysitters, se quiserem ficar em casa a tomar conta dos filhos, se quiserem ser manicures, (eu sei lá! coisas mais associadas a trabalhos de mulheres), que o sejam! Cada um deve ser livre nas suas escolhas e na sua vida, independentemente de terem um pénis ou uma vagina. Isso nunca deveria ser impeditivo de nada!

Acho que, infelizmente, ainda temos um longo caminho a percorrer no que se refere à igualdade de oportunidades entre homens e mulheres.

Andrea disse...

Infelizmente ainda temos um longo caminho a percorrer no que diz respeito às desigualdades de género .. Feliz dia :)

S* disse...

Homens e mulheres são diferentes e não vale a pena negar factos. Podemos e conseguimos todos o mesmo, mas o nosso corpo e a nossa cabeça são diferentes. :)