segunda-feira, 19 de março de 2018

Uma alimentação (ligeiramente) mais equilibrada


Até há bem pouco tempo, nunca me preocupei com a minha alimentação. Comia o que me apetecia, quando me apetecia. Sempre fui magra e as análises nunca acusaram problemas de maior que pudessem levar a correcções na minha alimentação, pelo que não era algo em que me focava. Aliás, se fosse preciso ainda pensava "sim, sim... vou mesmo deixar de comer um chocolate seguido de um pacote de batatas fritas. Se me apetece...".
Quando cheguei à faculdade, a coisa descambou de vez. Saí debaixo das saias da mãe, comecei a ser eu a fazer as compras no supermercado e foi o descalabro total. A quantidade de Milka Oreo que eu conseguia devorar sem o mínimo remorso era incrível... Consumia regularmente produtos altamente processados, sem o menor pensamento crítico.
O meu pequeno-almoço era Chocapic (quando o tomava... e muita sorte se o jantar não fosse também). Ao almoço, comia na cantina (ainda era o melhorzinho) ou no bar da faculdade; às vezes, em cadeias de fast food. Ao jantar, se a comida da mãe faltava (porque faltava), as pizzas congeladas e as massas com atum (e derivados) reinavam. Os snacks e lanchinhos a meio do dia também eram comprados na faculdade... Por exemplo, também não havia a preocupação de consumir fruta: quando havia, comia; quando não havia, não comia. Acho que não preciso de descrever muito mais para perceberem o cenário.
No entanto, uma pessoa cresce, ganha mais consciência e, não pensando propriamente no peso, começa a pensar nas suas escolhas de vida e no mal que está a fazer a si própria. Aos poucos, os hábitos vão-se alterando e adaptando... Para melhor.
Posso dizer com toda a certeza que, para mim, o facto de não ter de estudar me ajudou. Os horários são outros, a rotina - mais ou menos constante - ajuda a ter hábitos saudáveis. Ajuda também a não pensar "estou a perder tempo a cozinhar que devia estar a usar para fazer um trabalho".
Além disso, comecei a trocar alguns dos produtos que consumia. Por exemplo, descobri que a manteiga de côco fica maravilhosamente bem nas torradas... Se deixei de comprar manteiga normal? Claro que não, mas se às vezes a posso substituir, porque não? Depois, houve muitas coisas que saíram: o Chocapic deixou de ser comprado, o Milka Oreo também (sniff sniff)... E tantos outros produtos que não me faziam falta nenhuma. Atenção: estou a falar do que compro e como regularmente, não me passei a privar a 100%.
Por fim, a lancheira começou a ser a minha melhor amiga. Aqui sim, foi uma necessidade de terras suíças (e agora, mesmo em Portugal, também o é). No entanto, há males que vêm por bem e a i. do passado não reconheceria a i. do presente, que prepara os almoços para levar, bem como todos os lanchinhos. Se me dá muito mais trabalho? Sim. Se é um stress pegado por não saber o que fazer? Também. Mas compensa em muitos outros aspectos.
Quero apenas frisar que não sou "paranóica" com a alimentação e com hábitos saudáveis. Aliás, estou toda contente porque sei que amanhã vou comer e beber coisas boas (e gordas) com amigos. Porém, tenho perfeita consciência de que tinha hábitos prejudiciais à minha saúde a longo prazo e de que há pequenas (grandes) mudanças que, não influenciando a minha felicidade momentânea, fazem a diferença.

8 comentários:

Sys Arancia disse...

Eu também comecei a comer melhor depois de estudar, e ainda bem!

м♥ disse...

Agora que faço as minhas próprias compras e que sou só eu a preparar o que como, também tenho outros cuidados. Como o que me apetece (embora não devesse), mas com alguma moderação. Não como um chocolate ou um pacote de batatas fritas inteiro, por exemplo. Tenho feito muita sopa, como fruta pelo menos uma vez por dia, tento beber 1.5l água por dia também...

Fizemos compras há quase duas semanas, de coisinhas gordas (bolachas, bolos, essas coisas que de vez em quando apetece comer) e ainda só abrimos uns pães de leite. Em contrapartida, ainda ontem comemos um milka de chocolate branco só porque apetecia. Há que haver equilíbrio :p

Mary disse...

Eu também mudei alguns hábitos na minha alimentação e passei a fazer da fruta uma rotina do meu dia-a-dia, antes dava-me preguiça e preferia comer um pacote de bolachas a ter de descascar uma banana ou uma maçã - eu sei, é estúpido, mas era verdade xb
Tal como tu,não me privo das coisas, só tento não comer porcarias a toda hora e tento fazer refeições decentes. Também gosto de preparar os meus lanchinhos, ainda por cima este semestre tenho um horário horrível e vou começar a levar o almoço para escola, poupo dinheiro e sei o que como :)
O mais importante é mesmo a nossa saúde e há mudanças que só nos fazem bem.

A Pimenta* disse...

Nestas coisas da alimentação, nem 8, nem 80. Também eu já comi de tudo e agora sou muito mais ponderada nas minhas escolhas, graças à necessidade que tive de perder uns 5 quilos, consultei uma nutricionista e ela ajudou-me a ver que erros estava eu a cometer.
Se ainda os cometo? Claro que sim. Não passei a ser fanática e a cortar radicalmente com tudo o que sei que me faz mal, mas passei a ter muito mais cuidado. O corpo agradece e, acima de tudo, a saúde também!

Alexandra Soares disse...

O mais importante é haver moderação e sem dúvida que deste um grande passo na melhoria d atua saúde alongo prazo! Cá por casa preferimos comer saudável 90% das vezes, mas isso somos nós. E sim, marmitas dãao trabalho mas as vantagens são mais que muitas! :D

Cláudia S. Reis disse...

Todos temos fases na vida em que fazemos muitas asneiras na alimentação. Eventualmente lá ganhamos juízo! :p

Ana disse...

eu também tenho reparado que como muito mal e até já se refletiu no meu peso no entanto não tenho originalidade nenhuma para snacks (que é onde peco mais), tens algumas dicas? :P
beijinhos :) http://ratsonthemoon.blogspot.pt/

Lápis Roído disse...

Em traços gerais, a I. do passado tratava-se muito bem =P